Colônia belga em Ilhota (SC)

Você está aqui

Maes Eugene

Sobrenome: 
Maes
Nome: 
Eugene
Data nascimento: 
sexta-feira, 25 Julho, 1800
Nascido em: 
Tielt - Aarsele
BE
Resido em: 
Tielt - Aarsele
BE
Profissão: 
Agricultor
Travesia
Barco: 
Jan van Eyck - 23.08.1844
Idade momento do embarque: 
43
Chegou com família: 
sim
Viajou com: 

Sua esposa VAN DER JEUGT Vincentia (09/03/1800, Aarsele) com quem casou-se em 15/11/1826.
E seus filhos Leander (27/05/1828), Karel Lodewijk (25/08/1829), Renaldus Franciscus (22/01/1831), Maria Julia (16/12/1836) e Maria Ludovica (09/05/1840).
(Baseado em informações de Gustavo Henrique de Almeida Pedroso.)

Eugene foi casado com Vicentia Xavier van der Gõcht e tiveram os seguintes filhos: Ricardo, casado com Eugenia Brakefeld [Brackeveld]; Leandro, casado com Pelagia van Conning [De Coninck]; Carlos, casado com Maria Luiza Brakefeld [Brackeveld]; Maria Luiza, casada com Guilherme Augusto Villain; Julia (18.4.1838), casada com Alexandre Gevaert; e Leonia.

(Fonte "O pioneiro Engelbert Gevaert e seus descendents" por Ayres Gevaert em Blumenau em Cadernos, março de 1973 http://hemeroteca.ciasc.sc.gov.br/blumenau%20em%20cadernos/1973/BLU1973003.pdf)

Maes Eugéne, 44 anos, poeldenier – Van der Gucht Vincentia Xaveria, 44 anos, spinster - kinderen : Leander 16 anos, Charles 15 anos, Leonard Francies 13 anos, Marie Julie 7 anos, Marie Elise 4 anos.

(Fonte https://www.familiekundedeinze.be/wp-content/uploads/2017/04/Leiestam-2016.pdf)

N° de pessoas: 
7
Voltou para a Bélgica: 
não
Descendentes: 

Seu filho Leander casou-se com Pelagia De Coninck, filha de Leo De Coninck em Itajaí-SC.

A filha Maria Julia casou-se com Alexander Gevaert, filho de Ange Gevaert, no dia de 18/02/1855 em Itajaí-SC.

A filha Maria Ludovica casou-se com Guillaime-Auguste Vilain, filho de Jean Baptiste Vilain, no dia 13/06/1863 em Brusque-SC.

O filho (Charles) Carlos Luiz casou-se em 6/12/1854 em Itajaí com Maria Ludovica (Luiza) Brackeveld, filha de Pierre Brackeveld.

O filho Renaldus Franciscus (22/01/1831) adotou no Brasil o nome Ricardo Eugênio Maes. Ele casou-se com  Eugenia Maria Brackeveld, filha de Pierre Brackeveld.

Baseado em informações de Gustavo Henrique de Almeida Pedroso e no árvore genealógica da família Brackveld.

Durante a 6° legislatura 1977-1983 e também na 7° legislatura 1983-1988, o Sr. Lincoln de Alcântara Maes, foi vereador na Câmara Municipal de Ilhota.

Três descendentes da familia Maes foram honrados com nomes de rua em Ilhota: o Sr. Izidoro Maes (26/6/1962 – Lei 52/62), o Sr. Ricardo Paulino Maes, (26/7/1962 – Lei 57/62) e a Sra. Luiza Maes Melo.

Ilhota Rua Izidoro Maes

Ilhota Rua Ricardo Maes

Ilhota Rua Luiza Maes

Observação: 

Provavelmente, irmão de Maes Leonard.

Assinou, junto com outros colonos belgas, o documento elaborado pelo diretor da Colônia, Joseph Philippe Fontaine em 1847, que comprava o recebimento dos mantimentos e alimentos necessários para subsistência dos mesmos como acordava o contrato.

Fonte Paulo Rogerio Maes p. 60-61 + 74-75

A colônia belga já estava desde o final de 1845 vivendo seus primeiros dramas com inundações, safras destruídas e mortes. Fontaine pagava caboclos para o trabalho mais duro e provocava a ira dos belgas, que se recusavam a prestar doravante seu dia obrigatório de trabalho gratuito. As brigas levaram Fontaine a fazer queixa às autoridades brasileiras, que condenaram três belgas, Krabeels e os dois irmãos Eugène e Leonard Maes, a dois anos de prisão. em Desterro, suas mulheres com dez crianças vagavam pelas ruas, pés descalços e pedindo esmolas. O consulado ajudou no seu sustento e colocou as crianças na escola pública. Os presos protestavam e teimavam em ser julgados pelas leis belgas.

Fonte capítulo "Os ‘flamengos' do Brasil colonial" de Eddy Stols no livro "Brasil e Bélgica: Cinco Séculos de Conexões e Interações".