Colônia belga em Ilhota (SC)

Você está aqui

Gevaert Ange

Sobrenome: 
Gevaert
Nome: 
Ange
Profissão: 
Agricultor
Barco: 
Jan van Eyck - 23.08.1844
Idade momento do embarque: 
47
Chegou com família: 
sim
Nascido em: 
Diksmuide - Leke
BE
Resido em: 
Diksmuide - Leke
BE
Lote Planta 1847: 
D 6
Observação: 

Assinou, junto com outros colonos belgas, o documento elaborado pelo diretor da Colônia, Joseph Philippe Fontaine em 1847, que comprava o recebimento dos mantimentos e alimentos necessários para subsistência dos mesmos como acordava o contrato.

Gevaert Ange e sua família ocupandu o lote DN 6, no mapa desenhado em 17.07.1847 por agrimenso Henrique Devrecker, se achou ausente.

Fonte Paulo Rogerio Maes p. 60-61 + Ficker p. 38

É provavelmente que "Ange" é o mesmo que "Engelbert" ("Ange" em francês significa "Engel" em neerlandês).

Engelbert Gevaert

Eu discordo com o artigo do Sr. Ayres Gevaert que escreve que Ange era solteiro e Engelbert casado. O documento mencionado acima é explicito sobre "Gevaert Ange e seu famile".

Veio da Bélgica em companhia de sua mulher Catarina de Pütt e seu filho único Alexandre (nascido em 1.11.1832). Faleceram pouco depois do casamento do seu filho. 

Alexandre, em 1854, com 22 anos, contraiu matrimonio com Julia Maes, nascida a 18 de abril de 1838, filha de Eugenio Maes e Vicentia Vandergucht.

Desse matrimonio nasceram os seguintes filhos: Carlos Luiz (25-2-1855), Felicio, Leandro, Augusto (7-3-1862), Maria Luiza (faleceu com aproximadamente 45 dias), Ricardo (25-11-1864), Alfredo (28-4-1866), Luiz, Alberto, Pedro, Bernardino, Victor e Julia, ao todo 13 filhos. Em 1867/68, Alexandre e toda família transferiram-se para Destêrro.

Em 1940 segundo dados reunidos por David Gevaerd o número de descendentes de Engelbert somavam 290. Nenhum Gevaerd voltou à antiga «Colônia dos Belgas», salvo para visitar nossos parentes Maes.

Segundo afirmação do tio avô de Ayres, o Sr. Pedro, teria sido o professor Benjamin Carvalho de Oliveira o autor da mudança do t de Gevaert para d, mudança que ficou até hoje.

(Fonte "O pioneiro Engelbert Gevaert e seus descendents" por Ayres Gevaert  em Blumenau em Cadernos, março de 1973 http://hemeroteca.ciasc.sc.gov.br/blumenau%20em%20cadernos/1973/BLU1973003.pdf)