Você está aqui

De Jaegher, Joseph François Charles (1849 - 1923)

Joseph François Charles de Jaegher
Social Media: 

No livro de registro de matrículas com os nomes de 138 belgas residentes em Belo Horizonte entre os anos de 1898 e 1968, consta, o nome de Joseph François Charles De Jaegher, agente consular da Bélgica, nascido em Bruges, em 16 de julho de 1849, casado, filho de Joseph Franciscus Maria de Jaegher, residente na Cidade de Minas, onde foi nomeado Cônsul no dia 05 de fevereiro de 1899.

Joseph François Charles de Jaegher com Ana Cathérine Sophie Clara Feldaus com Marguerite, Bertha e Frederico - arquivo Henrique Chaudon

Ele assina os livros de atas, como Cônsul, até o ano de 1907. Nesse ano, o livro passa a ser assinado pelo seu filho Fréderic Guillaume de De Jaegher, como "Gérant du Consulat de Belgique à Bello Horizonte". A partir de 1909, assina como Cônsul Jean Marie Joseph Verdussen.

O pai Joseph Franciscus Maria De Jaegher (1818-1888) tinha, aproximadamente em 1851, uma loja de ferragens na "Burg" em Bruges. Em 1855, esta loja é ampliada para a fundição "Ateliers J. Jaegher", localizada no Raamstraat.

Joseph François Charles casou-se com Anne Cathérine Clara Feldhaus, filha do Ferdinand Feldhaus que também tinha uma fundição, as "Usines Ferdinand Feldhaus" em Bruges na Gieterijstraat.  Em 1891, provavelmente depois do casamento as duas fundições se fusinaram sob o nome de "SA Ateliers de Construction Forges et Aciéries de Bruges". E, antes do final do século, era uma das maiores empresas de metal na Bélgica.

O casal teve quatro filhos, Marguerite, Bertha Adèle (Bruges, 16/02/1877 - Belo Horizonte, 06/02/1897), Clara (Bruges, 05/01/1885- Rio de Janeiro, 1977) e Fréderic Guillaume (Bruges, 19/09/1878 - ?). Todos filhos nasceram em Bruges, Bélgica.

A data da chegada do casal com seus filhos no Brasil ainda não foi encontrada. A primeira menção do Joseph De Jaegher nas terras brasilienses foi encontrada no "Annuario de Minas Geraes : Estatistica, Historia, Chorographia, Finanças, Variedades, Biographia, Literatura e Indicações (MG)". A edição de 1906 menciona as diferentes expedições pioneiras do Rio Doce desde 1822 , chamada o "Rheno brasileiro", entro as quais o n° 21 do Dr. Joseph De Jaegher, engenheiro belga em 1888 no sertão do Cuyethé. Isto é uma prova que De Jaegher estava em 1888 no Brasil.

O casal chegou em setembro de 1895 na Cidade de Minas, o atual Belo Horizonte (MG), com as três filhas. Joseph François Charles trabalhou na construção da nova cidade de Belo Horizonte. Nessa cidade , sua filha Bertha morreu com apenas 20 anos e foi sepultada em 6 de fevereiro de 1897, antes que o novo cemitério de Bonfim estava pronto.

Fréderic Guillaume, o Fritz, era engenheiro civil e chegou na Cidade de Minas em 9 de novembro de 1898. 

Joseph François Charles De Jaegher atuou, em Belo Horizonte, como empresário, apoiado por capital belga, em empresas públicas e particulares. Foi representante das grandes oficinas de construção e forjas de Bruges, a SA Ateliers de Construction Forges et Aciéries de Bruges (Bélgica), realizou a compra e a importação do material a ser empregado em diversas construções da Capital. Com José Verdussen, era proprietário de um estabelecimento comercial de material e artigos de construção, nos primeiros tempos da cidade, fornecendo o material metálico empregado no Necrotério do Bonfim.

Société Anonyme Ateliers de Construction Bruges

Em 1896, a Câmara Municipal do BH, aprovou a proposta do engenheiro De Jaegher para fornecimento de uma ponte metálica nos Corrêas pela quantia de 9.800 francos. O jornal "Gazeta de Petrópolis" de 12/12/1896 traz todas detalhes do parecer assinado em 12/08/1896.  

Sabe-se que, em 1897, foi responsável pela montagem de um portão de ferro forjado, de dois portões menores, um balcão e duas janelas, do mesmo material, na Secretaria de Estado de Obras Públicas, antiga Secretaria de Agricultura. No mesmo ano, coube-lhe também, a montagem das escadarias em ferro do Palácio da Liberdade e da Secretaria do Interior, atual Secretaria de Estado da Educação, e o projeto do Mercado Municipal (demolido), localizado na praça Rio Branco, edificação que veio a ser construída nos primeiros anos deste século e que sofreu acréscimos de Edgard Nascentes Coelho, em 1906/1907.

Mercado antigo Belo Horizonte by De Jaegher

Sabe-se que De Jaegher dedicou-se ao transporte ferroviário, tendo recebido, em 1898, do governo do Estado de Minas Gerais, uma concessão (decretos n° 1.132 e 1.149) para explorar uma estrada de ferro que, partindo da Capital, iria encontrar-se com a Estrada de Ferro Oeste de Minas, na estação Gonçales Ferreira. O “Minas Geraes: Orgam Official dos Poderes do Estado (MG)” publicou no dia 27/08/1898 um telegrama transmitido de Paris pelo De Jaegher ao Presidente do Estado com a confirmação do deposito do capital exigido pelo decreto. No entanto, a confirmação da realização desta linha ferroviária por De Jaegher estão faltando

No começo do ano de 1902, o capitalista belga Sr. A. Van Loo, visitou Belo Horizonte par fundar um importante estabelecimento industrial. Ele esteva hospedado na casa do Dr. De Jaegher Consul da Bélgica. Algumas meses depois, em julho de 1902, De Jaegher recebeu uma comunicação do Van Loo, de Antuérpia, que estava coberto todo o capital de 1.500.000 francos da companhia Flandria, destinado à construção da fabrica de cerveja que vai ser fundada em Belo Horizonte, sob a gerencia do Dr. J. De Jaegher. Maiores informações faltam.

Os relatórios do Ministério das Relações Exteriores (RJ) informam que Joseph De Jaegher era entre 1912 e 1916 agente consular da França em Belo Horizonte.

Ele faleceu em 1923, no Rio de Janeiro.

A filha Clara (Bruges, 05/01/1885 - Rio de Janeiro, 1977) viajou à Alemanha às vésperas da II Guerra. Foi uma das últimas viagens do navio SS Bremen em tempos de paz. Em Hamburgo o passaporte de Clara, para fins do regresso ao Brasil, foi visado em outubro de 1939 por ninguém menos que Guimarães Rosa, servindo então no Consulado brasileiro naquela cidade.

Passaporte Clara

Texto: Marc Storms

Fontes:

  • email de Isabella Carvalho de Menezes do Centro de Memória da Fundação ArcelorMittal Brasil, Sabará (MG) - 06 de julho de 2015
  • Dicionário biográfico de construtores e artistas de Belo Horizonte ; 1894-1940 / Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais. – Belo Horizonte : IEPHA/MG, 1997. veja p. 130-131
  • email de Henrique Oliveira sobre a construção da fabrica de cerveja - 21 de agosto de 2017
  • https://henriquechaudon.blogspot.com.br/2013/07/ss-bremen.html

Imagens:

  • Foto: oseph François Charles de Jaegher com Ana Cathérine Sophie Clara Feldaus com Marguerite, Bertha e Frederico - arquivo Henrique Chaudon
  • Publicidade no jornal "A Capital" de 03 de março de 1896
  • Planta : Museu Histórico Abílio Barreto, Belo Horizonte, CC.PA-23