Você está aqui

Aciéries d’Angleur

Acieries Angleur
Social Media: 

acieries_angleurA companhia belga S.A. des Aciéries D‘Angleur indica elos com as localidades de Angleur e Tilleur, hoje integradas na cidade de Liège/Lüttich, situada na fronteira da Bélgica com a Alemanha. 

Essa região, pelas suas minas e fundições, desempenhou papel de central importância na industrialização continental européia. A sociedade, fundada em 1871, experimentou extraordinário desenvolvimento sob a direção de Georges Nagelmaekers (1845-1905), intensificado com a fusão com o Sindicado alemão Deutsch-Oth (1882) e a aquisição da sociedade de altos fornos, usinas e oficinas de construção de Sclessin (1892). 

Esse desenvolvimento econômico-industrial da região da Wallonie associou-se àquele do colonialismo belga, em particular no Congo, e que levou a uma intensificação do interesse por culturas extra-européias. Esse interesse manifestou-se sobretudo na internacionalidade das Exposições Mundiais (p.e. Bruxelas 1897, 1910), salientando-se aqui a Exposition Universelle et Internationale de Liège pelos 75 anos da independência da Bélgica, em 1905.

Galerie Leopold II - SpaNa arquitetura de balneários belgas, o uso de pavilhões de ferro tem um de seus principais exemplos na "Galeria Leopoldo II" em Spa, também marcado pela sua grande altura, verticalidade, leveza e esbeltas colunas. 

Para além de produção industrializada de construções em ferro convencionais, exportadas para muitos países, a Bélgica distinguiu-se pelo papel que desempenhou na Belle Époque e como um dos principais centros do Art Nouveau, cumprindo lembrar, quanto à arquitetura as obras exponenciais de Victor Horta (1861-1947). 

Os estudos culturais das relações entre a Bélgica e o Brasil salientam o significado da presença de brasileiros em Bruxelas pela passagem do século. Entre muitos outros, cumpre lembrar que ali atuou, como encarregado de Negócios, por ocasião da exposição de Liège, o diplomata Rafael de Mayrinck (1874-1931), sobrinho do Conselheiro Francisco de Paula Mayrink (1839-1907), responsável desde 1890 pela empresa de águas de Caxambu e hoje ali perpetuado na designação de uma fonte. 

Fontes

Foto Galerie Leopold II Spa : http://www.trabel.com/spa/spa-gallery.htm

13.12.1871 Fondation / Gründung Société des Aciéries d'Angleur 

1878 Georges Nagelmaekers (* 1845 Liège, +1905), président des Aciéries d’Angleur

13.3.1882 Fusion de la Société Anonyme des Aciéries d'Angleur avec la Gewerkschaft Deutsch-Oth pour obtenir un fournisseur de fonte Puits des Belges à Audun-le-Tiche

1892 Reprise de la Société Anonyme des Hauts-Fourneaux, Usines et Charbonnages de Sclessin

<=1893 hauts-fourneaux, fours à coke, fonderies, aciéries, laminoirs, tréfileries, fabrique de fer, ateliers de construction à Renory / Ougrée

hauts-fourneaux, aciéries, laminoirs, fonderies, ateliers de construction, scories basiques

1920 Participation au capital des Hauts Fourneaux et Acieries de Differdange St. Ingbert Rumelange

M. Camille de Léllio, ingénieur, directeur-gérant des Aciéries d'Angleur, demeurant à Tilleur-lez- Liège, membre du Conseil d'administration des Hauts Fourneaux et Acieries de Differdange St. Ingbert Rumelange

14.11.1927 Fusion de l'Usine d'Athus avec / Fusion mit S.A. des Aciéries d'Angleur et des Charbonnages belges de Tilleur -> S.A. d´Angleur-Athus

28.3.1945 Absorption d'Angleur-Athus par Cockerill

Fonte: http://www.industrie.lu/AcieriesAngleur.html